Brasileiros com depressão levam mais de 3 anos para buscar ajuda médica

Brasileiros com depressão levam mais de 3 anos para buscar ajuda médica

Um estudo realizado pelo Instituto Ipsos revela que a média de tempo em que os brasileiros levam para buscar ajuda médica contra a depressão é de 39 meses. O levantamento foi feito a pedido da empresa farmacêutica Janssen, e ouviu cerca de 800 moradores de 11 estados brasileiros, com ou sem relação com a doença.

O resultado aponta que os pensamentos suicidas incomodam cerca de 4 a cada 10 pessoas antes de ser feita a busca pelo diagnóstico. Essa demora em procurar ajuda especializada ocorre, principalmente, pela falta de consciência de se tratar de uma doença (18%), por resistência e medo do julgamento (13%), e por receio da reação dos outros ou vergonha (13%).

A pesquisa demonstra que ainda há falta de entendimento das pessoas sobre a gravidade da depressão e sobre o impacto gerado na vida do paciente. Apenas 10% acreditam que é uma doença com base biológica (e repercussões físicas no corpo). Outros 35% acham que ela não pode ser tratada com medicamento e 36% creem que, para superar, é preciso força de vontade.

Outro estudo recente, publicado na revista The Lancet, mostra que até 80% das pessoas afetadas pela depressão em todo o mundo sequer foram diagnosticadas. Atualmente, a doença é considerada uma emergência psiquiátrica, devido à relação com casos e tentativas de suicídios. Estudos apontam que cerca de 97% destes casos têm ligação direta com transtornos mentais, principalmente a depressão.

A pesquisa Pesquisa Vigitel 2021, realizada pelo Ministério da Saúde, aponta que o Brasil é o quinto país com maior incidência de depressão no mundo, e apresenta um número de casos superior ao de diabetes. Segundo a professora de psiquiatria da Faculdade de Medicina do ABC Cintia de Azevedo Marques Périco, a demora na busca por tratamento para a depressão pode trazer sérias consequências ao paciente, inclusive o agravamento da doença.

 

Texto: Victor Ferreira

Share this post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.